Conteúdo para o setor educacional: agregando valor ao público-alvo

A comunicação por conteúdo é dos principais ativos a se explorar no setor educacional. A República – Agência de Conteúdo sabe bem disso – e oferece aos clientes do setor tudo o que seus consumidores conectados precisam. Empresas como Blackboard, Twice Ensino Bilíngue, Artmed e faculdade Imed (via Forza Comunicação) contam ou já contaram com o suporte de conteúdo da República.

A seguir você conhecerá os bastidores de mais um case de sucesso da agência, o portal Desafios da Educação

 


Em setembro de 2017, a República – Agência de Conteúdo aceitou a missão de construir a reputação editorial do portal Desafios da Educação

A ideia era transformar o que (até então) era um blog em um portal referência em inovação e tecnologia no Ensino Superior. A iniciativa é da +A Educação (antigo Grupo A Educação) – uma das maiores empresas de tecnologia educacional do Brasil, com quase 50 anos de experiência em soluções, marcas e selos editoriais de renome como Blackboard, Artmed e Penso.

Três anos depois de assumir o portal, a República só tem a celebrar.

Em 2018, ano em que uma série de reportagens do portal foi finalista do Prêmio Estácio de Jornalismo, o número total de pageviews foi de 337.641. No ano seguinte, a audiência mais que dobrou: chegou a 949.399 pageviews, um crescimento de 181%. Em 2020, ano da grande pandemia, a audiência triplicou e o portal obteve históricos 3,2 milhões de pageviews – aumento de 235% em comparação com o ano anterior. A média foi de 265 mil acessos mensais, a maioria de forma orgânica.

Por trás dos números

Para alcançar essa marca, a República – Agência de Conteúdo conta com o talento de redatores e jornalistas especializados tanto em educação (core business do cliente) quanto em SEO (técnicas que melhoram o posicionamento de um site).

É preciso dar atenção aos detalhes. Por exemplo: uma das métricas mais importantes na internet é o tempo de permanência por página. Se o leitor passa muito tempo lendo um artigo, os motores do Google presumem que o conteúdo é relevante. Não apenas aquele conteúdo específico como também os demais. É o tipo de estratégia que retroalimenta o projeto como um todo.

Por isso os jornalistas da República investem em conteúdos aprofundados, guias ou analíticos, procurando oferecer todas as repostas necessárias ao leitor. No Desafios da Educação, isso se materializa com um tempo de permanência por página de 4 minutos e 18 segundos – bem acima da média dos demais portais.

A qualidade dos textos é vital para o resultado – e motivo de elogio para Adriane Kiperman, diretora editorial da mantenedora do portal. “Sendo extremamente criteriosos com a qualidade dos conteúdos de difundimos, devido ao nosso background como editores de livros científicos, técnicos e profissionais, temos enorme segurança no que é produzido pela equipe da República”, afirma.  

Pós-pandemia: mudança de foco

Segundo pesquisa interna, a maior parte da audiência do Desafios da Educação é constituída de gestores acadêmicos, reitores, diretores, coordenadores e professores. É justamente o público-alvo que a +A Educação espera atingir com o portal Desafios da Educação – e que também causava impacto com o Blog A.

Até 2020, o Blog A difundia conteúdo de outbound e inbound marketing – atrelados às soluções de educação a distância da empresa para instituições de ensino. A produção editorial do blog também era da República, assim como a do blog da Artmed / Secad, unidade de negócios focada em qualificação da saúde por meio da educação.

Com a pandemia, e a aceleração de diversas tendências, o Grupo A mudou o nome e o formato de sua operação. A companhia passou a se chamar +A Educação, dividindo-se em três verticais: Edtech (Plataforma A), Health (Artmed) e Publishing (Grupo A). A ideia é que todas as unidades de negócio trabalhem de maneira integrada. A partir dessa premissa, os conteúdos produzidos para o Blog A passaram a ser publicados no portal Desafios da Educação.

Desde que as mudanças foram anunciadas, a República segue sem medir esforços para produzir conteúdo que agregue valor ao público-alvo da companhia, cujas metas são ambiciosas. A expectativa é internacionalizar a empresa a partir de 2022 e fazer uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) em 2024.

Como tem feito até aqui, a República ajudar a +A Educação a contar os próximos capítulos dessa história.